Sal : Vilão ou Mocinho ?

  • Publicado em 06/12/2017

Adicionar no seu Flipboard

O nosso velho conhecido cloreto de sódio, o sal de cozinha de todo dia, é o mocinho mas também o vilão para o nosso organismo. Possui benefícios à saúde: o sódio conserva o volume de líquidos no corpo e evita a desidratação. A cada 9 gramas que se ingere, seu organismo reterá cerca de 1 litro de água. 
Mas pode também ser um vilão: Pois depois, num dado momento, o rim não consegue mais expelir o sódio, causando acúmulo de mais líquido no sistema linfático e na circulação sanguínea).

É um realçador de sabor nas preparações dos alimentos e um excelente conservante de alimentos.
No entanto, o uso indiscriminado pode dar inicio a doenças cardíacas, elevação da pressão sanguinea (hipertensão), retenção de líquidos, estrias, celulites, dificulta o processo de absorção do cálcio pelo organismo, causando osteoporose, interfere no crescimento de crianças e adolescentes, e ainda é um vilão para aqueles que querem ter um ganho de massa muscular .

E pasme, cerca de 77% do sódio ingerido advém de alimentos processados, como por exemplo o macarrão instantâneo que contém 4,6 g de sal em um pacotinho individual .

Nessa conta, junta-se 6% do sal adicionado ao cozimento dos alimentos e e ainda mais de 10% nos alimentos que são fontes naturais de sódio (carnes, grãos, vegetais ...).

Objetivamente a ideia não é eliminar o sal da alimentação, mas sim fazer uso dele de forma controlada. 

Restringir o consumo de sal na sua dieta não significa abrir mão de alimentos saborosos.

O sal pode ser substituidos por condimentos naturais como alho,orégano, salsa, cebola, louro, dentre outros. E na hora das refeições nada de deixar o saleiro na mesa! 

É mais saudável usar produtos frescos e deixar de lado produtos em conserva (sardinhas, atum, ervilhas, milho, azeitonas...) Esses alimentos são conservados em uma solução com grande quantidade de sal. A regra também serve para as sopas. Nada de consumir aquelas de pacotinho, hein?! Uma bela sopa feita em casa, com legumes, carnes,e temperos naturais é uma boa pedida.

Não se preocupe com o paladar, a adaptação referente a diminuição da quantidade do sal nos alimentos, de forma gradativa não afetará o sabor das refeições. Além disso,a ingestão de água é fundamental para a manutenção do organismo. Afinal, por intermédio da água que bebemos é que se dá o processo de filtração renal e consequente eliminação de toxinas.

Agora uma lista com alguns tipos de sal que contenham uma maior concentração de minerais:

Sal Rosa ou do Himalaia: é extraído de minas secas do Himalaia, de cor rosa, pois possui mais de 84 minerais e alta concentração de zinco. Muito puro e sem toxinas, atua como um bom antioxidante, e é perfeito para realçar o sabor dos alimentos.

Sal Cinza ou Marinho Céltico: obtido por evaporação da água do mar, na costa da França. Contém cerca de 90 tipos de minerais, entre eles ferro, manganês, zinco, cálcio, potássio e iodo.

Sal Vermelho ou Havaí: colhido no Havaí, possui cerca de 81% de cloreto de sódio, e 19% de outros minerais, sua cor vermelha advém da alta concentrações de ferro.

Mas ATENÇÃO: esses sais possuem teores significativos de sódio, mas A GRANDE DIFERENÇA É A PRESENÇA DE MINERAIS COMO UM BONOS! Portanto, use-os com moderação também!
 




Quer fazer uma Avaliação ou marcar uma consulta ?
Avaliação

A tecnologia da bioimpedância simplicidade e rapidez, fornecendo uma informação completa sobre a nossa condição atual e uma orientação sobre a composição corporal ideal.

Planejamento

A partir dos dados obtidos serão traçados objetivos e metas para o paciente. Será elaborado um plano nutricional e um cardápio personalizado e individual.

Suplementação

Tanto o plano alimentar quanto a suplementação será direcionada conforme as necessidades do paciente: perda de peso, ganho de massa muscular, performance, preparo físico e competições.

Quer receitas e Cardápios em seu e-mail ?